Músicas

Vamos transar essa transa

Créditos: Alfa Sigma
DOWNLOAD GRÁTIS - Versão de Alta Qualidade ( 6,1 MB)

Obs.: Para salvar a música no seu computador clique com o botão direito do mouse e escolha: "Salvar destino como..."

Letra:

Vamos curtir essa transa legal

E tirar nossos grilos da cuca
Paz e amor combatendo o mal
Curtição dessa transa maluca

Vamos nos banhar pelados numa cachoeira
Vamos acender as velas na nossa fogueira

Vamos transar essa transa
Vamos transar essa transa

Vamos ser ácidos contra os caretas
Deixando crescer o cabelo
Todos virando uma pessoa só
Nessa transa de querermos sê-lo

Vamos ouvir nossas músicas, mas também vê-las
Alimentar a vitrola com a luz das estrelas

Vamos transar essa transa
Vamos transar essa transa

Chega de ouvir esse papo furado
De sala, salário e mesa
Vamos transar nosso grande barato
E viver junto da natureza
Tire o terno de tergal e transe um jeans bacana
A camiseta, as sandálias e nada de grana

Vamos transar essa transa
Vamos transar esse transa

 

LETRA COMENTADA

Pra quem não é dessa geração (eu não sou, mas sou quase), vou "traduzir" as mensagens cifradas que o Alfa Sigma colocou na letra de "Vamos transar essa transa" como forma de enganar a censura da ditadura militar.

VAMOS TRANSAR ESSA TRANSA

Vamos curtir essa transa legal
("Transa", no início dos anos 70, não era sinônimo de sexo. Era uma gíria que servia pra qualquer situação, dentro do contexto da frase. Logo, a frase acima pode ser entendida como "Vamos curtir esse movimento/momento/encontro legal".)

E tirar nossos grilos da cuca
(E nos livrarmos dos problemas que perturbam a tranquilidade da mente)

Paz e amor combatendo o mal
Curtição dessa transa maluca
("Maluca" faz menção às drogas. Naquela época não se conhecia tão bem o efeito nocivo das drogas alucinógenas como o LSD, e os hippies acreditavam que o LSD (ácido lisérgico) "expandia as consciências". Na filosofia hippie, se todos tomassem ácido, perderia-se a noção do "ego" e o mundo se amaria de verdade. Logo, a estrofe pode ser traduzida como "Paz e amor combatendo o mal, consequência positiva desse estado alterado de consciência".

Vamos nos banhar pelados numa cachoeira
Vamos acender as velas na nossa fogueira
(Ficar nu em comunidade era muito natural no universo hippie, que pregava o amor livre e a igualdade entre homens e mulheres. "Vela" era um nome código para "baseado" (cigarro de maconha). Os censores não sabiam disso, mas os "malucos" entendiam o recado. "Acender as velas" quer dizer "Acender os baseados".

Vamos transar essa transa
Vamos transar essa transa
(Vamos entrar neste clima, vamos botar em ação este espírito)

Vamos ser ácidos contra os caretas
(Nesta frase, a palavra "ácido" era mais uma provocação velada pra tirar sarro da censura, já que é um sinônimo de LSD. "Careta" eram todos aqueles que não faziam parte do movimento, que não tinham a mente aberta.)

Deixando crescer o cabelo
(Havia um enorme preconceito contra homens de cabelos longos.)

Todos virando uma pessoa só
("Virar uma pessoa só" era uma das sensações descritas por quem tomava LSD em grupo. É a "extinção do ego".)

Nessa transa de querermos sê-lo
(Também é uma mensagem cifrada: o ácido lisérgico costuma ser consumido chupando-se um pedaço de papel em forma de selo de carta, impregnado com a droga. O mesmo trocadilho foi usado por Rita Lee & Tutti-Frutti na música "De pés no chão", do excelente álbum de 1974 "Atrás do porto tem uma cidade")

Vamos ouvir nossas músicas, mas também vê-las
Alimentar a vitrola com a luz das estrelas
(Sob o efeito do ácido é comum a pessoa dizer que "vê a música" ou "ouve as plantas". É o que eles chamam de "expansão dos sentidos".)

Vamos transar essa transa
Vamos transar essa transa

Chega de ouvir esse papo furado
De sala, salário e mesa
Vamos transar nosso grande barato
E viver junto da natureza
Tire o terno de tergal e transe um jeans bacana
A camiseta, as sandálias e nada de grana
(Essa estrofe inteira é bem fácil de entender: a ideia era deixar a sociedade organizada e se reagrupar em comunidades rurais. Uma utopia hippie. "Tergal" era um tecido sintético muito usado para se fazer ternos de executivos. A característica do tergal era não amarrotar, mas trata-se de um pano muito quente e desconfortável.)

Vamos transar essa transa
Vamos transar esse transa