Dunga Canta: Io que non vivo senza te

Indique a um amigo.

Incorporar ao seu site

Sexta-feira, 17 de Abril de 2015

Sei que gatinho é o ó, mas olha que fooooofo:

Autor: Lara Cristina - Curitiba - PR

Tem razão. É fofinho. Dá um calor no coração da gente. Faz até a gente querer escrever comentários meigos em vez de zoar.
Mauricio Ricardo

Comentar ou ler comentários - Escreva para esta seção

Sexta-feira, 17 de Abril de 2015

M. R., mais claro, impossível? 

Autor: Denise - Köl - Alemanha

Sim. Um gesto extremo, aliás. Fica bem óbvio que, mesmo com a placa de pare, ninguém andava parando naquela p(*) de esquina.
Mauricio Ricardo

Comentar ou ler comentários - Escreva para esta seção

Sexta-feira, 17 de Abril de 2015

Me marido me agrediu fisicamente uma vez. Fui para a casa dos meus pais e reatamos depois de um ano. Desde então passaram-se cinco anos e ele nunca mais sequer levantou a voz comigo. Só que minha família nunca o perdoou. O que eu faço? Ele já tentou diversas aproximações, mas ninguém na minha família quer ver a cara dele. O que é um problema, porque pensamos em ter filhos e não quero viver isolada das pessoas que amo. Me ajudem!

Autor: Sou Casada - Goiânia - GO

Como pai eu sei: a dor de um filho dói mais na gente.
Você ama seu marido, perdoou. Mas imagine como deve ser difícil pros seus pais, depois de vivenciarem a situação e recebê-la de volta, imaginá-la nas mãos de um abusador.
Todo mundo merece uma segunda chance, claro, mas o único conselho que posso dar é: se ele já tentou diversas aproximações, continue tentando. Porque bater em mulher é uma covardia tão grande que não é de se espantar que sua família julgue o ato... imperdoável.
A boa notícia é que, se REALMENTE vai tudo bem entre vocês e se REALMENTE vocês querem um filho, o bebê talvez aproxime vocês dos seus pais.
Mas digo isso com muita desconfiança.
Ah, bater em mulher é uma coisa muito escrota.
Mauricio Ricardo

Comentar ou ler comentários - Escreva para esta seção

Sexta-feira, 17 de Abril de 2015

Acompanho seu trabalho há algum tempo e o admiro. NÃO concordo com tudo o que você fala, mas lhe respeito. Mas hoje vi um comentario seu que me deixou muito triste, decepcionado e até com um pouco de nojo de você. Voce disse: "E a tese que o humorista defende - e eu apoio - é que obviamente zoar a classe dominante é muito diferente de se zoar a minoria discriminada".
CLASSE DOMINANTE! Engraçado, porque eu sou branco (aliás, como você) e nunca "dominei" ninguém para alguém dizer q foi oprimido por mim. Por acaso você tem algum escravo ou ja oprimiu algum negro para dizer q você faz parte da classe dominante, lembrando q você é branco e, segundo você mesmo disse, faz parte da classe dominante?
Só pra deixar clara minha opinião: eu não sou a favor de piadas de negros sobre brancos, ou de brancos sobre negros. Eu sou a favor de se piadas ENGRAÇADAS. F(*)-SE se são de negros, de brancos, gordos, magros, nerds, fortões... piada tem que ser engraçada e só isso. Sem essa de piada politicamente correta. Isso é para um bando de hipócritas demagogos querendo pagar de bonzinhos defensores dos fracos e oprimidos e blablabla.

Autor: Guilherme - Mongaguá - SP

Empreguei uma palavra mal. Em vez de "classe", talvez devesse ter usado "etnia dominante".
Porque obviamente eu estava me referindo ao domínio cultural, social e econômico. As américas, bem como quaisquer países ocupados e colonizados pelos europeus, tiveram que engolir seus valores. Ninguém questiona que o país foi formado e organizado dentro do sistema social eurocêntrico.
Ter que explicar aqui porque, dentro de uma sociedade eurocêntrica, o caucasiano leva vantagem sobre outras etnias é gastar linhas e mais linhas com o óbvio de desprezar a inteligência de quem me lê.
Dito isso, vou te dar mais elementos pra ter nojo de mim: NÃO, EU NÃO ACHO QUE BASTA A PIADA SER ENGRAÇADA. Se você, Guilherme, não entende a diferença entre zoar um nerd e um negro, não sou eu quem vai conseguir mudar sua opinião. Se você considera "hipócrita" quem defende um tipo de humor que pelo menos tente, dentro do possível, não ultrajar a dignidade humana, não sou eu quem vai convencê-lo do contrário.
Enfim, certas diferenças são o que são: diferenças.
Eu penso diferente de você.
Mauricio Ricardo

Comentar ou ler comentários - Escreva para esta seção

Sexta-feira, 17 de Abril de 2015

Apesar de não ser fã de bebidas alcoólicas, não pude deixar de achar essa piada muito boa. Ou infame. Ou as duas coisas....kkkk
Quem não vai gostar vai ser o nosso ex-presidente que não acharia uma boa ideia divir a "mardita" com niguém...kkkk!! 

Autor: Maxwell Barbosa - Serra - ES

Taí uma boa ideia pro fabricante: lançar uma garrafinha de meio litro chamada 25,5!
Mauricio Ricardo

Comentar ou ler comentários - Escreva para esta seção

Antes do jogo, Dunga cantava para os italianos!